SF Bay Area Indymedia indymedia
About Contact Subscribe Calendar Publish Print Donate

International | Animal Liberation

Save the Beagles from torture In Sao Roque, Brazil
by Nuno Solano de Almeida
Wednesday Oct 23rd, 2013 9:18 AM
On October 18, several activists, members and sympathizers of animal rights organizations, camped out Instituto Royale, in Sao Paulo, Brasil to protest against illicit practices of animal vivisecting and experimenting, under Brasil's laxed legislation on animal rights. Activists broke into Instituto Royale and released 178 beagles from certain death, with no opposition from the police on site. Now activists struggle to tell the truth against the mainstream media efforts to denigrate their actions and the usual political inertia and counter-information.


Press Release:

On October 18 a group of activist members of the Animal Liberation Front in Brasil, broke in the office of Instituto Royale, 16 km from Sao Paulo, and released 178 beagles from certain death by torture.
Several activists had been protesting and denouncing claims from staff working at the Instituto that several dogs, Beagle breed, had been shaved, poked and amputated by alleged trained personnel to perform scientific experiments on behalf of pharmaceutical and cosmetic companies overseas.
After agreeing to meet the activists on the 11th, Silvia Ortiz, responsible for the Instituto tricked the activists into coming to Sao Roque, twenty minutes from Sao Paulo, to visit the facilities where the dogs were kept in cages, but the police was waiting for them instead. After several days of wait the activists found out that the Instituto had made plans to move out the animals from the site. This prompted the activists to break into the facilities on the 18 after they camped for several days outside the Instituto. Everyone outside, including the police heard loud panting and noises of distress from the dogs locked inside, and so the activists took action and broke into the facilities, through a hole in the fence. There was no opposition by the police. Once inside the activists rescued 178 beagle dogs, several of them showing several signs of maltreatment and evidence of torture. These cases were documented by the activists with I-phones, cameras and eye witnesses. The dogs were eventually taken away by members and sympathizers of the Animal Liberation Front, including national tv celebrities, like Luisa Mell. Members responsible for the Instituto denied any accusations of maltreatment and abuse to the dogs, rabbits and mice used for experiments, but they have been toning down their statements against the activists in the press, after the activists demonstrated evidence to the contrary. The Brazilian press, like UOL and Folha de Sao Paulo have been accused by thousands of Brazilians sympathizers with this heroic gesture of the activists, to side with the Instituto. There are currently two petitions ongoing online (https://secure.avaaz.org/po/petition/MANIFESTATION_ROYAL_INSTITUTE/; and more information online at Frente Antivivisseccionista Brasil).
These protests were very successful and peaceful, with the cooperation of the police until some disturbances started to occur around the site, suspected to have been disruptive instead of helpful and conducted by other people on the site who do not have any apparent affiliation to the several protestors and activists that were representing animal rights protection associations.
This organized and successful initiative is currently being undermined in the mainstream press and some activists are struggling to keep the momentum going and spread the word about Instituto Royale, their sponsors, their public subsidies, how they went unsupervised and still deny any excess violence against the animals that they use in scientific experiments. The law in Brasil is very permissive about vivisectionist practices, and there are several recorded cases of abuse perpetrated to animals in captivity for scientific experiments in Brasil, sponsored by huge economic and international conglomerates that use these labs in Brasil to exploit animals outside the jurisdiction of their more accountable governments. The Animal Liberation Front in Brasil and their friends in Portugal are currently organizing a public protest against the Brazilian authorities next Sunday, the 27th and are organizing their support to camp outside every Brazilian Embassy in these two countries at least (http://www.facebook.com/events/187991091388316/).
The AFL, Frente Antivvisseccionista do Brasil and other animal rights associations are struggling against time to promote the actions against every violation of animal rights in Brasil to push for more legislation at the Federal level, more accountability at the State levels and more awareness at the international level. The biggest concern right now is to make the international press aware of these efforts and communicate to the rest of the world the pain these animals are going through because of illegitimate and sometimes illegal practices by labs like Instituto Royale.

To be released

Contact:
Nuno Solano de Almeida
ALF-FLA Portugal
410-842-7227
Nuno.solano1 [at] gmail.com

Links to the events and more information online:
http://news.yahoo.com/activists-release-dogs-lab-brazil-172500682.html
http://www.thejournal.ie/brazil-dogs-free-laboratory-1136817-Oct2013/
http://stream.aljazeera.com/story/201310182130-0023123
http://news.sky.com/story/1156842/beagles-freed-by-activists-from-brazil-lab

Activist sources:
http://www.facebook.com/pages/CIA-Compaix%C3%A3o-Informa%C3%A7%C3%A3o-E-Atitude-Animal/400201510046425
http://www.jusbrasil.com.br/topicos/27192769/frente-antivivisseccionista-do-brasil
http://www.facebook.com/LuisaMellOficial
http://www.facebook.com/pages/ALF-FLA-de-Portugal/569879733036361?fref=ts

Petition by Avaaz in Portuguese:
Contra o uso de animais pelo Instituto Royal

Este Abaixo-assinado propõe:

* Maior apoio e aumento dos incentivos do Governo, Organizacões financiadoras e Fundacões de Amparo a pesquisa que se destinam ao fomento da pesquisa científica e tecnológica a novas pesquisas, visando o estudo e implementação de métodos alternativos, substitutos ao uso de animais não humanos em laboratórios e em indústrias farmacêuticas.

* Proibir em lei o uso de animais não humanos e a vivissecção em praticas didáticas (Instituições de Ensino) e comerciais (Cosmético e Limpeza), uma vez que existem métodos alternativos e substitutos para tal. Proibição para o uso farmacêutico, dos quais já existam métodos substitutos e para todas as outras, que ainda nao existam substitutos, defendemos o incremento financeiro para pesquisa de novos métodos como citado acima, e:

* A criação de uma comissão com integrantes da sociedade civil, profissionais liberais e, ONGs e cidadãos comprovadamente voltados a proteção animal e meio ambiente. Esta comissão teria autoridade e autonomia para fiscalização, emissão de laudos e pareceres, visitas a laboratórios, biotérios, universidades e outros, sem aviso prévio, observando as condições gerais de bem estar dos animais não humanos, seja no seu alojamento, seja nas pesquisas, respeitando e fazendo cumprir o uso de anestésico e de instalações dignas para os animais que forem usados em pesquisas, ate que se realize em completo nossa proposta de exterminar o uso de qualquer animal para qualquer tipo de testes. Esta ultima proposta tem um caráter de urgência no sentido de averiguar toda crueldade e muitas vezes falta completa de cuidados para o bem estar dos animais não humanos usados para tais experimentos. Os abaixo assinados concordam e solicitam o supra citado,

Anexo ao Abaixo assinado

A Declaracão Universal dos Direitos do Animal proclamada na UNESCO em 15 de Outubro de 1978, assim como a dos direitos animais, da libertação animal ou abolicionismo, constitui uma luta contra qualquer uso de animais não-humanos que os transforme em propriedades de seres humanos. e um movimento social que nao se contenta em regular o uso "humanitário" de animais, mas que procura inclui-los na comunidade moral, afastando-os, cada vez mais, do conceito jurídico de coisa, para alcançar a qualidade de sujeito de direitos) de modo a garantir que seus interesses básicos sejam respeitados e tenham igual consideração em relação aos interesses humanos.

Os beneficios de tais atitudes se refletiriam, principalmente, na valorização da ótica no ambiente educacional. O uso de métodos humanitários, alem de preservar a integridade ética, moral, psicológica e social dos acadêmicos, possui a vantagem adicional de afetar consideravelmente a economia da instituição.

E necessário que se promova dentro das Instituições de Pesquisa e Universidades brasileiras um envolvimento multi-disciplinar entre profissionais das áreas tecnológicas, fisiológicas, toxicológicas, farmacologicas, cirúrgicas e todas aquelas que utilizem animais não humanos, para que seja possível criar projetos que visem a produção nacional de metodos alternativos in vitro de qualidade, alem de estudos posteriores que comprovem a sua eficacia.

A reivindicação e de que os animais não humanos são cientificamente considerados seres sencientes, ou seja, sentem medo, fome, dor, frio e amor. Há formas mais modernas, sem a utilizacão de métodos extremamente cruéis para com os animais não humanos de ensinar, aprender, elaborar e obter farmacos, visando o tratamento e cura de doenças, como seguir exemplificadas:

1. ESTUDO DE CAMPO - Trabalho clinico com pacientes animais nao humanos em clinicas e hospitais veterinarios. Esta alternativa propoe acompanhar veterinarios em clinicas particulares ou hospitais veterinarios, uma vez que, embora muitas vezes nao seja possivel o contato com o animal, o possivel observar, durante procedimentos cirurgicos, a anatomia do mesmo sem a mudanca de cores que o material preservado apresenta e com a vantagem adicional de sentir que o procedimento e importante para o animal, preservando portanto, a vida.

2. MODELOS DE COBAIAS PVC (Policloreto de Vinila)- Estes modelos são idênticos as cobaias de verdade e permitem, entre outras coisas, a pratica de 25 técnicas micro cirúrgicas como: realização de anastomoses de vasos, suturas de artérias e transplantes. O uso desse material alivia a tensão de quem esta fazendo o treinamento, possibilitando que o exercício seja realizado quantas vezes forem necessárias, eliminando a preocupação com o tempo e diminuindo o uso de anestésicos e os sangramentos, o que torna o aprendizado mais eficaz e menos estressante. Modelos feitos de poliuretano inodoro são utilizados em técnicas cirúrgicas básicas, permitindo ao aluno praticar habilidades cirúrgicas sem realizar a eutanásia em animais e aprendizado baseado em casos. Vários estudos comprovam a eficacia do aprendizado proporcionado por tais métodos. Com relação ao custo de implantação, embora este possa ser maior no inicio, acaba por torná-los economicamente viáveis, por reduzir custos com a manutenção de animais em biotérios, anestésicos e outros medicamentos. Comprovando que a utilizacão de métodos alternativos ao uso de animais não humanos, ética, eficaz e economicamente viável.

3. SISTEMAS BIOLÓGICOS In vitro - A obtenção e estudo de farmacos pode ser realizada através da utilizacão de culturas de celulas, reações enzimáticas etc.

4. MANEQUIM DASIE (Dog Abdominal Surrogate Instructional Exercise) - Este manequim simula cirurgias abdominais. Um estudo realizado com este manequim mostrou que o mesmo e uma alternativa esteticamente aceitável para as praticas introduzidas de cirurgia, e seu preço corresponde a um decimo de um cão criado especificamente para esse fim.

5. SIMULADORES - Simuladores como o POP (Pulsatile Organ Perfusion), que auxilia no treinamento de cirurgias laparoscopicas e toracoscopicas. Esse equipamento, criado na industria, simula o suprimento sanguíneo de oragos ou sistemas obtidos em frigoríficos, sendo um método eficiente e custo efetivo (SZINICZ et al., 1994). Ha, ainda, um modelo de treinamento, totalmente artificial, proposto por Reuthebuch et al. (2003) para cirurgia coronariana. e feito de poliuretano endurecido e consiste numa replica do tórax humano, com vasos coronarianos integrados a um modelo de batimento cardíaco.

6. FERRAMENTAS MULTIMIDIA COMPLEXAS - Com a Tecnologia atualmente disponível e possível, adicionalmente, realizar dissecações virtuais e experimentos na tela de um computador, alem de simulações de técnicas clinicas. Estes recursos facilitam a visualização e entendimento de estruturas e processos, fazendo com que o aluno aprenda estrategias de resolução de problemas, entre outras habilidades. As simulações hoje existentes podem mostrar processos fisiológicos que são praticamente impossíveis de serem visualizados em aulas com animais vivos, tais como processos de digestão ou ativação de um músculo. Existem, inclusive, verdadeiros laboratórios virtuais que simulam inúmeros experimentos e situações reais as quais os alunos podem ser submetidos. A realidade virtual, já empregada em diversos campos, pode vir a ser uma alternativa viável em escolas medicas e veterinárias, uma vez que tal recurso tem se tornado cada vez mais comum e disseminado com o desenvolvimento de softwares com tecnologia tri-dimensional, configurando entre uma das alternativas mais proeminentes no ensino da medicina veterinária.

7. CADÁVERES E TECIDOS ANIMAIS OBTIDOS DE FONTES ÉTICAS - Alternativas éticas a eutanásia ou maus-tratos aos animais, como cadáveres e tecidos obtidos de animais mortos naturalmente ou que tenham sofrido eutanásia devido a doenças terminais. Essa já e uma pratica adotada na medicina humana e veterinária de algumas universidades. Tais cadáveres podem ser obtidos em fazendas, hospitais e clinicas veterinárias com a autorização do proprietário, quando pertinente, podendo-se, ainda, formar um banco de cadáveres e tecidos animais. Os tecidos frescos podem ser utilizados em praticas bioquímicas, farmacologicas e fisiológicas, enquanto os cadáveres sao excelentes ferramentas para o aperfeiçoamento de habilidades clinicas e cirúrgicas, principalmente apos o treinamento de habilidades básicas utilizando modelos, manequins e simuladores.

Assim, para que animais não humanos deixem de ser utilizados para essas finalidades, torna-se necessária a implementação de recursos alternativos, comprovadamente mais eficientes para os fins a que se destinam.

Este abaixo assinado visa solicitar as autoridades governamentais medidas em busca do fim da utilização de animais não humanos em experimentação cientifica, testes e fins didáticos. Assim, solicitamos a regulamentação e fiscalização nos centros de Pesquisa, Industrias e Universidades, bem como o incremento nos incentivos de estudos, visando a implementação imediata de métodos alternativos e, após a constatação de que tais práticas em nada acrescentam a qualidade de vida do ser humano, só servindo como meio de causar sofrimento desnecessário a outras espécies, a criação de leis para abolição definitiva do uso de animais não-humanos para fins didáticos e comerciais.
http://www.avaaz.org/po/petition/MANIFESTATION_ROYAL_INSTITUTE/?tvTpOfb

Enviado pela Avaaz em nome da petição de rogerio
LATEST COMMENTS ABOUT THIS ARTICLE
Listed below are the latest comments posted about this article.
These comments are anonymously submitted by website visitors.
TITLE AUTHOR DATE
Save the Beagles from Instituto Royal- show up at the Embassy of Brazil in Lisbon SATURDAYNuno Solano de AlmeidaWednesday Oct 23rd, 2013 2:54 PM